Genética
A dura verdade…

Lembram-se de andar na escola e existir aquele aluno(a) que estudava zero mas chegava ao teste e tirava nota 16 para cima? – isso é GENÉTICA.
E para a maioria de nós, esta é uma realidade difícil de aceitar.

Essas pessoas não têm noção do quanto nós, o comum do mortal que não ganha essa lotaria, temos de trabalhar e muitas vezes sofrer para atingir o mesmo patamar ou, na maioria das vezes nem sequer chegar lá perto.

Quando me perguntam se no culturismo a genética conta, a minha resposta talvez seja um pouco violenta… MAS A GENÉTICA É TUDO NESTA MODALIDADE. É claro que apenas por si mesma a genética nada faz. Se ficar sentado no sofá, por mais genética que alguém tenha, com certeza não se vai tornar um campeão por pura magia.

É importante contudo referir que, indivíduos menos dotados geneticamente são em regra trabalhadores incansáveis e isso por vezes pode trazer-lhes resultados surpreendentes.
Além disso, independentemente da genética, o nosso maior adversário somos sempre nós mesmos e existe sempre espaço para o auto aperfeiçoamento.

A minha mensagem não é de desânimo ou derrotista, de todo. Existem sempre vitórias pessoais também extremamente importantes para alcançar mas, em todo este processo, penso ser importante sermos realistas. Termos os pés bem assentes na terra, antes que a perseguição de sonhos e metas irreais nos leve a frustrações constantes que podem levar a uma destruição pessoal a vários níveis.

Voltando ao tema inicial que me levou a escrever este post…

Devido a factores genéticos existem indivíduos que respondem muito bem ao treino de força, outros que vão respondendo e outros que nem sequer respondem.
Façamos a seguinte reflexão:

Em 1967, Arnold Schwarzenegger (um ídolo comum à maioria dos homens praticantes de ginásio) torna-se com apenas 20 anos de idade o vencedor mais novo de sempre do Mr. Universe, numa altura em que a realidade vivida em nada se podia comparar à actual, claramente para pior.

A pergunta que faço é: NOS DIAS DE HOJE, QUANTOS DE NÓS POSSUEM AQUELE FÍSICO?

Alimentamo-nos melhor. Temos bons ginásios. Mais e variados suplementos. Ciência avançada. Diversos métodos de treino… e o físico não aparece porquê?

A minha resposta é… GENÉTICA.

Dei um mítico exemplo, mas podia dar-vos outros tantos dos dias modernos.

O Culturismo, ao contrário de outras modalidades onde o esforço poderá ser mais facilmente premiado, depende em muito de factores genéticos que o trabalho não consegue compensar.

Poderemos até ter diversos exemplos de atletas que inicialmente tinham aspecto/imagem fisicamente débil, mas não façamos confusão entre genética e imagem! Genética é a capacidade de resposta a estímulos, genética é inserção e origem de um determinado músculo, genética é capacidade de perder massa gorda e ganhar massa magra, genética é estrutura óssea, genética é capacidade de repartição de nutrientes e podia continuar a enumerar.

Nos dias de hoje, assistimos a atletas a querer contornar a sua genética de forma errada e não com trabalho, muito trabalho, dedicação e perseverança como o CULTURISMO devia ser…

 

 

Add Your Comment

Translate »